Estrutura textual para o desenvolvimento da redação ENEM

Quer aprender a fórmula para o desenvolvimento de uma redação nota 1000 no Enem? Então, se prepara porque o nosso bruxo da redação, Everaldo Radlinski, compartilhou com a gente algumas dicas incríveis! 👇

Em alguns artigos já postados, evidenciou-se a importância de estruturar esquemas mentais de escrita antes da prova de redação ENEM.  Por isso, nesta série de artigos embasados no Método Radlinski, após redigir uma introdução sobre a Redescoberta do Patriotismo no Brasil, cabe apresentar, agora, a estrutura textual para o desenvolvimento da redação ENEM.

No Método Radlinski, o Desenvolvimento se divide em Desenvolvimento 1 (D1) e Desenvolvimento 2 (D2).

No D1, construa o fato-problema, no D2, discorra sobre o fato-solução. Lembre-se de que, neste momento, o de desenvolvimento, você criará a estrutura própria do texto dissertativo-argumentativo: o problema, a estratégia e a solução.

O fato-problema e o fato-solução, quando incorporados aos textos, delimitarão os parâmetros da estratégia proposta, de modo que, na conclusão, você abordará a solução em si, incluindo os 5 (cinco) elementos válidos: a solução (AÇÃO INTERVENTIVA), o quê e o como (constituem um elemento = MODO/MEIO), quem fará (AGENTE), qual resultado (EFEITO) e o detalhamento (DESCRIÇÃO).

Para ambos os parágrafos, empregue a seguinte estrutura:

  • (ii) Ideia inicial;
  • Argumentos; e
  • (ia) Ideia e análise.

Atenção: para fazer a ligação entre intraparágrafos: utilize Marcas de Autoria Gerais: [Por esse viés,…]; [Nesse sentido, …]; [Nessa lógica, …]; [Nesse contexto, …]; e interparágrafos: as Marcas de autoria específicas: no D1 [volte ao tema], ex. “Nesse viés de ideação suicida,” ; no D2 [volte ao D1], Por essa lógica de silenciamento social e intrafamiliar,”; ou ainda, Marcas de autoria originais. 

Aqui, atente-se às vírgulas!

A Ideia inicial (ii) da redação:

Para esquematizar a ideia inicial (ii), que faz as vezes do “tópico frasal”, isto é, um resumo que será discutido no parágrafo, utilize a seguinte estrutura:

Parte fraca

Pedação de texto para vínculo; Para iniciar a parte fraca, lance mão de preposições como [Pelo/Pela…]; [Com…]; [No…]; [Sob …] + tema ou assunto. Ou, ainda, empregue preposições como [Diante do/da…]; [Ante…]; [Perante…].

Parte forte

Estabeleça o vínculo textual com as Divisões de Tema;

Prova

[conjunção = Quer …., quer …; Seja…., seja….] + S (Sujeito) +V (Verbo) + Complemento ou [conjunção] + V (Verbo) + Complemento.

Não se esqueça de empregar as conjunções (coordenadas ou subordinadas)!

Argumentos

Para o desenvolvimento da redação, o Método Radlinski suscita sete tipos principais de argumentos:

  • Raciocínio lógico: aqui, utilizam-se comentários sobre pensamentos expostos anteriormente;
  • Fato exemplo: fatos ilustradores do tema tratado;
  • Argumentos históricos: cabem dados legitimados ou referências às datas;
  • Ilustração fictícia: filmes, séries, novelas, música, arte, entre outros;
  • Ilustração Real: documentários, notícias, entre outros;
  • Argumentos por autoridade: Referência ao especialista de área, ou às leis, instituições, ou organizações, ligados ao tema;
  • Dado estatístico: números gerados por pesquisas.

Ideia análise

Aqui, desdobra-se a reflexão sobre as informações abordadas anteriormente. Lembrando que, em cada parágrafo de desenvolvimento, vale incluir uma informação e comentar devidamente.

Para iniciar a ideia análise, utilize palavras de finitude como [Dessa maneira, …]; [Desse modo, …]; [Logo, …]; [Por conseguinte, …]; [Assim, …].

Assim, a ideia análise (ia) pode retomar o tema, a ideia inicial, ou o argumento apresentado.

Como fazer o desenvolvimento da redação Enem na prática?

A partir do Método Radlinski, suscitou-se a possibilidade de abordagem da temática “Epidemia de suicídios no Brasil” na prova de redação ENEM 2019.

Deste modo, para aplicar os esquemas mentais sugeridos acima, seguem dois parágrafos de desenvolvimento sobre esse tema.

Desenvolvimento 1: “Epidemia de suicídios no Brasil” = fato-problema.

Diante do aumento de mortes autoprovocadas no Brasil [parte fraca], o estigma do suicídio sufoca a tentativa de qualquer desabafo [parte forte], quer pelo aparente preconceito familiar, quer pela ignorância estatal quanto ao dilema mental do indivíduo [prova]. Nessa lógica camuflada, a secretária de Estado da saúde (SC) registrou 3,800 suicídios entre 2010 e 2016; portanto, o número de mortes chancela o desprezo / a banalização para com o martírio das vítimas em seus silêncios de morte [Argumento por autoridade]. Desse modo, a agonia ruidosa do ímpeto suicida cala o desejo pela vida [ideia e análise].

Desenvolvimento 1: “Epidemia de suicídios no Brasil” = fato-solução.

Com o desejo de corações aflitos pelo fim da existência [parte fraca], almas angustiadas ceifam suas vidas [parte forte], seja pela mudez afetiva no lar, seja pelo abandono institucional [prova]. Nessa lógica de esquecimento/descaso, a psicóloga Anita Bacellar já predissera: “O suicídio não é uma opção porque a pessoa é forte ou fraca, é um ato de desespero.”; assim, vale a pena escutar o potencial suicida.  [Argumento por autoridade]. Desse modo, a “filosofia do ouvir” se infiltra pelos rígidos – e, por vezes, moucos – púlpitos e pelas relações íntimas de (sobre) vivência [ideia e análise].

Curtiu esses esquemas mentais para a produção da redação ENEM? O próximo passo consiste na aprendizagem das estruturas para o parágrafo de conclusão!

Studos, o melhor aplicativo para você estudar