Conheça os 4 tipos de avaliação escolar

Compreender e aplicar as diferentes avaliações é importante para obter um retorno mais completo sobre o aprendizado dos alunos e orientá-los no seu desenvolvimento escolar.

Se um professor quer provocar o caos em sala de aula, basta mencionar a palavra “prova”. 

Os processos avaliativos fazem parte do dia a dia de sala de aula, e são fundamentais para que o professor possa medir a evolução dos alunos e compreender suas dificuldades. Ao entender o nível de aprendizado dos alunos, é possível ajustar o plano de ensino à realidade deles, tornando a construção do conhecimento mais dinâmica e efetiva.

Também é através das avaliações que os pais e responsáveis conseguem observar o desempenho dos alunos e monitorar o seu progresso, já que não acompanham presencialmente cada etapa da rotina escolar. Isso também facilita a sua participação mais ativa no processo de ensino.

Ao contrário do que muitos pensam, as avaliações “valendo nota” constituem apenas um dos tipos de avaliação aplicadas ao longo do ano letivo. Neste artigo, você vai conhecer os quatro tipos de avaliação aplicadas nas escolas atuais: a avaliação diagnóstica, a formativa, a comparativa e a somativa. Confira:

1 → Avaliação diagnóstica

2 → Avaliação formativa

3 → Avaliação comparativa

4 → Avaliação somativa

1 → Avaliação diagnóstica

Como o nome diz, essa é a avaliação usada para que o professor possa ter um diagnóstico sobre o aprendizado do aluno. Além de entender suas as dificuldades, também é possível entender o que as origina.

Essa avaliação é normalmente realizada no início do ano letivo, para que o educador tenha um panorama geral do nível da turma antes de começar as atividades. Quando aplicada ao longo do ano, ela tem a função de verificar a evolução do aprendizado.

Através desta avaliação, o professor consegue identificar o que os alunos sabem, o que não sabem e o que precisam aprender. A partir daí, ele tem um norte para preparar seu plano de ensino e dedicar mais tempo às habilidades nas quais seus alunos enfrentam maiores dificuldades.

A avaliação diagnóstica pode ser realizada através de provas, debates, produção de textos, atividades, entrevistas, entre outras ferramentas, e não visa hierarquizar os alunos com notas de 0 a 10.

2 → Avaliação formativa

A avaliação formativa tem como foco a formação, ou seja, o aprendizado. Ela começa a ser realizada logo após o período de diagnóstico e segue ao longo de todo o ano letivo.

Depois que os conteúdos são ensinados em sala de aula, a avaliação formativa é aplicada em forma de exercícios e atividades. Através deles o aluno faz a retomada de conteúdos, assimila o que aprendeu e consegue expor quais pontos não foram compreendidos. Assim, ao mesmo tempo em que valem nota, as avaliações formativas também ensinam o aluno.

Essa é uma avaliação imprescindível para que o professor entenda, ao longo do percurso, se o aluno está seguindo em direção aos objetivos pretendidos e se está apto a avançar para as próximas etapas. Ela também traz resultados que possibilitam aos educadores investir na qualidade do ensino e adaptar seu trabalho com base nas necessidades dos alunos.

A avaliação formativa pode ser aplicada através de exercícios, atividades e trabalhos em grupo, por exemplo. Além deles, o caderno do aluno é um dos principais instrumentos desse tipo de avaliação. Ele contém o maior número de informações sobre o crescimento do aluno durante todo o período letivo, e ajuda a entender inúmeros aspectos que podem se refletir no seu aprendizado e desempenho em outras avaliações.

3 → Avaliação comparativa

É a avaliação aplicada ao final uma aula para avaliar de forma pontual se o aluno compreendeu o conteúdo ensinado naquele dia. É uma forma de comparar o aprendizado que o aluno tinha antes com o que ele adquiriu após a aula. Ao contrário da avaliação diagnóstica, por exemplo, aqui o desejado é que o aluno apresente domínio do conteúdo.

O ideal é que os pais tenham acesso recorrente aos resultados das avaliações comparativas para que possam entender os conteúdos que seus filhos não dominam e orientá-los no momento de estudo em casa.

4 → Avaliação somativa

Por fim, a avaliação somativa é a mais conhecida no dia a dia escolar. Ela é aquela avaliação que quantifica, que atribui uma nota aos estudantes. Diferentemente das outras avaliações, que têm foco qualitativo, a somativa é quantitativa.

A avaliação somativa é semelhante à comparativa no sentido de controle do aprendizado, porém abrange todos os conteúdos que os alunos aprenderam ao longo do ano. Como abrange uma grande diversidade de conteúdos, também não permite avaliar nenhum conceito com tanta profundidade. De maneira geral, é uma avaliação que vem para confirmar o resultado das avaliações anteriores.

Ainda que necessária, a avaliação somativa pode acabar, muitas vezes, tendo um caráter excludente. Ela é pontual e só avalia o resultado final, deixando de fora todo o percurso que o aluno percorreu para chegar até ele. Um aluno pode se sair bem na avaliação formativa, por exemplo, mas ficar sujeito à reprovação por não alcançar uma boa nota na somativa.

Daí a importância de trabalhar todas as avaliações em conjunto. Ao cruzar os resultados de cada uma, é possível obter uma visão holística do processo de aprendizado de cada aluno. Dessa forma, os educadores podem investir nos procedimentos pedagógicos mais adequados para garantir uma educação de qualidade.

Leia também:

O que é taxonomia de Bloom

Consultor educacional: o que faz?