Blog de educação: comunicação efetiva com seu público

Através de um blog, a sua instituição fornece conteúdo de qualidade ao mesmo tempo em que reforça seus valores e constrói autoridade no setor de educação.

A educação está a alguns cliques de distância. Em um mundo conectado, o que não faltam são informações sobre qualquer assunto na internet (o que, até pouco tempo atrás, só era possível após horas de pesquisa em uma biblioteca). Mas, em meio a um volume tão grande de informações, selecionar aquelas mais relevantes pode ser um desafio. 

Neste contexto, os blogs atuam como um espaço organizado para a troca de saberes. Presentes nos mais diversos setores, eles têm um destaque especial quando o assunto é educação. Eles conseguem aproximar alunos e docentes da instituição ao mesmo tempo em que também a aproximam do seu público-alvo. Seu uso na prática, no entanto, ainda deixa de ser explorado por muitas instituições.

Confira neste artigo a importância de ter um blog para a sua instituição e conheça 5 blogs educacionais para se inspirar.

MENU DE NAVEGAÇÃO

1 → A importância de um blog de educação

2 → O que não pode faltar em um blog educacional

3 → Como usar um blog para fins didáticos

4 → 5 blogs de educação para inspiração

1 → A importância de um blog de educação

“Mas será que as pessoas ainda leem blogs?”

Bom, o fato de que você está lendo este texto indica que sim. 🙂

Seja por acompanharem os mesmos portais, seja como um resultado de um site de busca, o fato é que os blogs ainda são uma ferramenta importante para o compartilhamento de conteúdos informativos de forma simples e horizontal. É preciso enxergá-lo como um espaço além de um “mural de recados”: você pode utilizá-lo para comunicar o que acontece na instituição, mas será um desperdício focar apenas nisso.

Em sala de aula, ele pode ser usado para aprofundar assuntos trabalhados nas disciplinas em um novo contexto. Para docentes, pode ser um canal para compartilhamento de ideias sobre como melhorar os processos em sala de aula. Já para o público externo, ele pode ser pensado como um meio de construir autoridade e atrair potenciais novos alunos.

2 → O que não pode faltar em um blog educacional

Interatividade

Posts interativos e que convidem os leitores a participarem e contribuírem com os conteúdos podem ser mais atrativos tanto para quem já é aluno quanto para quem ainda não faz parte da sua instituição.

Abrir espaço para argumentação é importante para quem usa o blog como um canal além do ensino em sala. É uma forma de ampliar as discussões que nem sempre podem ser feitas em aula e de convidar o aluno a interagir em um espaço diferente. Quando o foco do blog é o público externo, ter um espaço de interação ajuda a sanar dúvidas e aproximar essas pessoas da instituição.

Categorias bem definidas

Como em qualquer blog, a definição de categorias é importante nos blogs educacionais para melhorar a experiência de navegação dos leitores. Essa organização permite que ele consiga encontrar e filtrar com mais facilidade os conteúdos que mais o interessam.

Qualidade e atualização

Seja voltado para alunos, docentes ou público em geral, a atualização constante do blog com conteúdo de qualidade é essencial. Pense que este canal funcionará como a voz da sua instituição e espelhará a abordagem de ensino e aprendizagem que ela oferece. Mesmo que as diferentes personas para a qual ele é direcionado demandem linguagens diferentes, cada post deve ser pensado e escrito com responsabilidade e consciência do seu papel para a construção da imagem da instituição.

3 → Como usar um blog para fins didáticos

Existem várias formas de estruturar um blog para fins didáticos e pedagógicos. Sua escolha deve se basear nos objetivos com a plataforma e nas propostas que mais se encaixam ao seu plano de ensino. A ideia é aproveitar esse espaço para ir além do que muitos blogs de instituições de educação costumam trabalhar (que geralmente se limita a reportar as atividades desenvolvidas no ambiente escolar, sem investir em conteúdos didáticos).

Antes de tudo, faça um plano de conteúdos que interessem ao público leitor, como alunos, docentes e entusiastas da educação. Enquanto aos alunos podem interessar dicas sobre como começar uma redação ENEM, para os professores faz mais sentido trazer dicas de como elaborar questões de provas, por exemplo. De nada adianta você elaborar um conteúdo de qualidade se não souber direcionar para o público certo.

Outra estratégia é usar a própria construção do blog como ferramenta didática. Se o seu objetivo é integrar os alunos de uma forma colaborativa, por que não incluir a criação de conteúdo para o blog como uma atividade que pode durar todo o ano letivo? Dessa forma, os alunos podem desenvolver sua capacidade crítica e argumentativa, ao mesmo tempo em que revisam conteúdos, trabalham em equipe e trazem sua própria experiência para o contexto escolar.

4 → 5 blogs de educação para inspiração

Antes de dar os primeiros passos para investir em um blog para a sua instituição, inspire-se nestes 5 exemplos voltados para educação:

Portal d@ Educador@

Blog mantido por um coletivo de educadores que promove iniciativas que democratizam o território físico e virtual através da produção de conteúdo fundamentado em suas experiências.

Pensar a educação

A criação do blog faz parte do movimento de dialogar com a sociedade e, ao mesmo tempo, participar da disputa pelos sentidos da educação no espaço público.

Professor News

O Portal ProfessorNews surgiu da necessidade de suprir a carência de informações dos atuais e futuros professores universitários sobre o cotidiano do mundo acadêmico.

PORVIR – Inovações em Educação

Iniciativa do Instituto Inspirare, o portal defende uma nova forma de educar, promovendo o desenvolvimento integral dos alunos — intelectual, cultural, emocional, físico e social.

Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB)

O blog foca em textos sobre meio ambiente, desenvolvimento e sustentabilidade baseados em metodologias replicáveis e participativas, que buscam incentivar o respeito aos territórios, à diversidade e às características regionais.

Leitura complementar:

Tecnologia em sala de aula. Por onde começar?

Avaliação diagnóstica: utilize como ferramenta estratégica

Gestor Educacional: 6 dicas para engajar alunos e professores