Você tem dificuldade para terminar a redação a tempo? Conheça a história de Camila Biehler

Um dos maiores desafios de quem presta vestibular ou ENEM é conseguir terminar a prova a tempo. Conheça a história de Camila Biehler, que, depois de muitas tentativas frustradas, melhorou sua escrita, conseguiu desenvolver sua redação de forma veloz e foi aprovada no vestibular de Medicina. 03

“Foi no estágio do último semestre do curso de farmácia, me sentindo frustrada e infeliz, que percebi que o curso que realmente me traria plenitude seria medicina. Recém-formada, me matriculei no cursinho. E assim, após anos de insatisfação em um curso que não me completava, encarei o desafio da preparação para a medicina. No início estava extremamente confiante, entretanto, após perceber o quanto os vestibulares e os conteúdos evoluíram enquanto eu estava “inerte” na faculdade, constatei que a jornada seria mais difícil do que o esperado.
Do resgate de conteúdos esquecidos à superação de dificuldades recém-encontradas, já no primeiro semestre de tentativas percebi que meu maior obstáculo para vencer as provas seria o único que não se pode retomar: o tempo. ENEM, ACAFE, UFSC, nunca terminei uma prova. Sempre gostei muito de redação, mas minha maior dificuldade era terminá-la a tempo de conseguir resolver todas as questões objetivas. Mudei de estratégia diversas vezes em busca de otimizar minha velocidade, mas invariavelmente eu não conseguia vencer o tempo.
Nessa batalha de repetição, treinamento, cronometragem e busca pela autossuperação, encontrei excelentes professores que acrescentaram muito à minha bagagem, mas ainda assim permanecia demorando demais na redação, sem conseguir sequer ler todas as questões. Foi quando conheci o método Radlinski. Na verdade eu já tinha ouvido falar, tinha amigos que o aplicavam, mas não conseguia acreditar que a tal “receita de bolo para redação” a que muitos se referiam pejorativamente poderia ter qualquer sucesso para mim ou para qualquer outro vestibulando. Até mesmo o professor Everaldo não me inspirava confiança antes que eu o conhecesse.
Ledo engano. Hoje damos risada dessa cisma que eu tinha com ele. Profundo explorador das técnicas textuais e estudioso dos perfis de diferentes vestibulares – além de possuidor de um vocabulário incomparável -, o professor Everaldo Radlinski desenvolveu não uma “receita de bolo”, como alguns erroneamente definem, mas um atalho mental que permite a elaboração de um texto de forma mais veloz – sem perder a singularidade inerente a cada escritor. Basta entender que a proposta do método não está desconexa de tudo que se aprende tradicionalmente nas demais aulas de redação, mas incorpora o usual e o fragmenta, de modo a criar opções para cada fragmento de acordo com o tipo de texto e o raciocínio que se pretende desenvolver. Pode parecer complicado inicialmente e até mesmo estranho, mas se bem entendido, o método Radlinski transforma a escrita do aluno.
​Após poucas aulas me adaptando ao método realizei a prova da FAG, em Cascavel, e não apenas terminei a redação no tempo estabelecido pelo vestibular (lá se exige que a redação seja entregue antes da prova), como atingi a nota máxima! Desde então fui aperfeiçoando a metodologia do professor Everaldo e a adequando à minha escrita. E assim, no final de 2014 minhas redações alcançaram resultados gratificantes: 19 dos 20 pontos da UP, 37 de 40 na PUCPR, 8,5 de 10 na ACAFE, 15 de 15 na Ulbra, 8,6 de 10 na UCS e 960 de 1000 no Enem. A felicidade de ultrapassar os próprios obstáculos só se equipara ao alívio de vencer uma etapa tão árdua.
Hoje ainda é difícil. Muito conteúdo, pouco tempo… Mas não, não estou falando do cursinho, estou no segundo semestre de medicina. A diferença? O prazer. Aprender aquilo que de fato se gosta, saber que agora encontrei o lugar certo, estudar com satisfação. Ainda que determinação por parte do aluno seja essencial para a aprovação em medicina, bem como disciplina e autoconhecimento, sou extremamente grata pela contribuição de cada professor com o qual pude aprender durante os dois anos e meio que fiz de cursinho. Vários daqueles que mais me inspiraram e incentivaram são integrantes do grupo Studos, profissionais dedicados e competentíssimos que foram indispensáveis para que eu pudesse alcançar o meu sonho. Sobre o método Radlinski, sem dúvidas, era a peça que faltava. Recomendo, admiro e agradeço muito, pois sem ele eu não chegaria aonde cheguei.”

Quer terminar a prova do ENEM a tempo?

O Studos, em parceria com o professor de redação, Everaldo Radlinski, preparou um curso gratuito sobre como escrever uma redação nota 1000 no ENEM.
Inscreva-se agora e conheça o método Radlinski.
Banner CTA Curso gratuito redação enem

TRI (ENEM): Como funciona a Teoria de Resposta ao Item

Ao contrário dos vestibulares em geral, a nota do Enem em cada questão não representa o número de questões que o estudante acertou na prova. Cada questão depende do grau de dificuldade, obtido pela relação das questões que se erra e acerta. Portanto, estudantes que acertam o mesmo número de questões podem obter notas diferentes.  Por exemplo: na área de matemática, a maior nota em 2014 foi 973,6. Isso significa que os estudantes que acertaram  todas as 45 questões, obtiveram 973,6  pontos e não 1.000.Essa análise é baseada na teoria denominada de TRI (Teoria de Resposta ao Item) e a cada edição do ENEM essa pontuação se altera, como pode ser observado através da tabela abaixo que apresenta as maiores e menores notas do Enem 2014 e 2013:

Área de conhecimento – 2014Nota MínimaNota Máxima
Ciências da Natureza e suas Tecnologias330,6876,4
Ciências Humanas e suas Tecnologias324,8862,1
Linguagens, Códigos e suas Tecnologias306,2814,2
Matemática e suas Tecnologias318,5973,6
Área de conhecimento – 2013Nota MínimaNota Máxima
Ciências da Natureza e suas Tecnologias311,5901,3
Ciências Humanas e suas Tecnologias299,5888,7
Linguagens, Códigos e suas Tecnologias261,3813,3
Matemática e suas Tecnologias322,4971,5

Fonte: http://portal.inep.gov.br/

Em geral, a nota média dos exames fica ao redor dos 500 pontos. Sendo assim, quando o estudante obtém uma nota acima desse valor, caracteriza maior desempenho em relação à média dos participantes. Mesmo raciocínio vale para desempenhos menores que 500, que aponta desempenho pior em relação ao obtido pela média.
Países como Estados Unidos, França, Holanda, Coreia do Sul e o exame de proficiência em língua inglesa (Toefl), utilizam a TRI.

Entendido o cálculo? Se você ainda tiver dúvida, poste nos comentários que responderemos!

Leia também:

Curso gratuito: como escrever uma redação nota 1000 no ENEM

Um ponto de vista sobre o vestibulando

Mackerley Bleixuvehl – 3 anos de persistência e luta até o sucesso.

Aluna Mackerley Bleixuvehl conta sua rotina de estudos e como se sentiu durante esses três anos de pré-vestibular.
“Cada coisa ao seu tempo tem seu tempo. Não florescem no inverno os arvoredos, nem pela primavera têm branco frio os campos…”.  Fernando Pessoa foi sábio ao falar da espera, mas difícil é compreender suas palavras quando tudo o que lhe resta é: a espera! Somada à ansiedade e à falta de paciência – eternas companheiras –posso dizer que a espera, por três anos, para ver meu nome na lista não foi tão simples, mas se preciso fosse, faria tudo outra vez.
Durante esses três anos mudei algumas vezes de “tática”.  No primeiro ano, após ter feito um “terceirão” sem muitas expectativas quanto ao vestibular, acreditava que o melhor que eu tinha a fazer era ir embora para uma cidade maior, para um cursinho renomado. Então, sem pensar duas vezes, peguei minhas coisas e me mudei para Curitiba. Um pouco devido às novidades e outro pouco devido a minha imaturidade, essa não foi uma boa escolha. Acabei voltando para casa e para o cursinho antigo após seis meses. Estudava da maneira errada, tentando recuperar o “tempo perdido”, sem deixar espaço para qualquer outra atividade. O resultado foi longe do esperado. Optei por continuar tentando.
No segundo ano resolvi testar algo diferente. Larguei o cursinho convencional e me dediquei a matérias isoladas. Fiz cursinho de matemática, biologia, química, física, redação, história… e tudo o mais que aparecesse! Após quebrar a cabeça tentando encaixar todos os horários, fiz da Biblioteca Pública a minha nova casa. Quando não estava correndo de um lado para outro, estava procurando um cantinho para sentar e estudar, enquanto a próxima aula não começava.  Com uma grande parcela de disciplina, o resultado daquele ano foi surpreendente: aprovada em Engenharia de Petróleo na Udesc, Medicina na Acafe  e ficando a quatro pontos para Medicina na UFSC! Mais uma vez, abaixei a cabeça e comecei a estudar.
“Em time que está ganhando não se mexe”. Para o terceiro ano, resolvi continuar com as matérias isoladas, mas adicionei tempo para praticar algum exercício, sair com amigos (tudo moderado, é claro!). Por acreditar que estava perdendo a disciplina, resolvi voltar para o cursinho convencional no segundo semestre. Levantar cedo e passar o dia estudando já não era mais tão fácil. Era o cansaço batendo. Acreditava no meu potencial, mas o medo de “quebrar a cara” – outra vez – tornava-se maior. Mas, como dizem, um bom médico começa a se formar antes mesmo de se matricular na universidade, por meio da dedicação e da humildade para buscar todos os sonhos. O jeito era seguir.
Foi então que, pela primeira vez na vida, saí da prova com a sensação de dever cumprido! E como naquele ano já havia passado outras duas vezes para Medicina na Acafe e para a segunda fase da UFPR, a esperança era cada vez maior. Mas, mais uma vez, o resultado não veio do jeito que eu queria (ao menos não no tempo em que eu queria). Fiquei em 113º lugar para medicina na UFSC e não fui aprovada na segunda fase da UFPR.
Constantemente precisamos fazer escolhas, em algumas nos damos bem, outras servem para nos fazer evoluir. Naquela hora em que a única vontade era desistir, meu sonho me fez abaixar a cabeça e voltar a estudar. Foi então que, no dia 10 de Abril de 2013, após meses de agonia, o meu nome apareceu na 7ª chamada do vestibular da UFSC. “Cada coisa a seu tempo tem seu tempo…”!
 

Veja os prováveis temas de Redação que você poderá encontrar no vestibular da ACAFE.

A prova de redação da ACAFE, nos últimos quatro vestibulares, cobrou temas da atualidade e de bastante foco . O candidato deve prestar atenção no comando negritado da proposta para retirada do TEMA e, da leitura dos textos da proposta, saem as DIVISÕES DE TEMA. É uma DICA QUENTÍSSIMA para rendimento de nota, é atender a expectativa da banca avaliadora.  Nos parágrafos de desenvolvimento, uma citação, em cada qual, ajuda no fortalecimento da argumentação e evita a consideração “argumentação de senso comum”.  Por último, uma boa revisão gramatical pelo aluno, antes de passar para o texto definitivo, ajudará, e muito, no cômputo final da nota, uma vez que os avaliadores olham bastante para este critério.
TEMÁTICA ACAFE (por ordem de possibilidade de aparecimento na prova de domingo)

  1. Redução da maioridade penal  ou Efeitos da Redução Maioridade Penal
  2. Os limites da liberdade de expressão ou [O direito da livre manifestação]
  3. As mudanças climáticas e o futuro da vida
  4. A corrupção e a reforma política no Brasil atual
  5. A vida do brasileiro em tempos de crise
  6. A valorização da vida
  7. A qualidade dos gastos públicos
  8. A cultura de corrupção no Brasil
  9. A reforma política
  10. O verdadeiro espírito olímpico
  11. Desemprego e terceirização: a precarização do trabalho.
  12. A vida sob a urbanização
  13. A participação política do brasileiro

Por Prof. Everaldo Radlinski

Professor de biologia reúne mais de 150 questões em livro dedicado a ajudar pré-vestibulandos.

 O Professor Wilson fala sobre seu livro de questões de biologia dos últimos 15 anos de vestibular da UFSC.
 “Com 152 questões somatórias separadas e organizadas entre os diferentes temas da biologia,o livro é uma coletânea dos últimos 15 anos do vestibular da Universidade Federal de Santa Catarina. 
 O primeiro capítulo,apresenta  as questões dos ​ú​ltimos 15 vestibulares da UFSC,separadas e organizadas conforme os assuntos da biologia,como por exemplo:​ ci​toquímica, citologia, genética, ecologia, etc.​ ​
Já o segundo capítulo,há o comentário das 1​5​2 questões descritas na primeira parte do livro, discutindo-se,o porquê de cada afirmativa estar correta ou não. 
 Para facilitar a localização das questões de interesse do aluno, foi criado um sumário por temas, seguido de um segundo sumário identificando a localização de cada questão pertencente ao capitulo 2, onde é realizado comentário. Com o objetivo de proporcionar uma melhor compreensão da prova de biologia dos últimos vestibulares da UFSC, espero que o presente livro seja mais uma ferramenta de apoio para os alunos que estão se preparando para os principais e mais concorridos vestibulares do Brasil.”
 
O livro pode ser adquirido no MIT-Curso de Matemática – Telefone – 3025-5777
ou pelo link:

O Prof. de redação, Everaldo Radlinski, explica como tirar nota máxima nos textos dos vestibulares.

O professor de redação, Everaldo Radlinski, da aulas em cursos pré-vestibulares desde 1999 e agora vai estar escrevendo para o blog do Studos com o intuito de ajudar os alunos a alcançar a nota máxima nas redações dos vestibulares de Santa Catarina, ENEM e outros estados. No post de hoje ele relata o processo de criação e o que se trata o Método Radlinski.

MÉTODO RADLINSKI – A MELHOR REDAÇÃO DA SUA VIDA! 

 O método Radlinski de redação consiste num estilo próprio de escrita. Essa técnica nasceu há dezesseis anos, quando da procura, pelos alunos, de um jeito que os deixasse seguros no momento da produção de texto.
Longe de estar pronto, o Método se aprimora a cada volta de um aluno diante do enfrentamento dos “vestibas”. Os vestibulares mudam, semestral ou anualmente, tendo em vista as cobranças das Universidades em que as provas passam a ser mais rigorosas quanto aos critérios de correção e avaliação. Devido a esse frenesi das Bancas na busca pela avaliação “perfeita”, o método Radlinski surge como um norte para o candidato que deseja preparar-se bem para a prova de redação.
O estilo Radlinski de produção textual envolve toda uma técnica trazida da formação do professor em sua formação no Curso de Letras e Literatura Brasileira e Portuguesa e também de seu bacharelado em Direito, bem como de seu estudo na pós-graduação (especialista em ensino de língua portuguesa); contudo, a consolidação do sucesso do método veio do dia a dia da sala de aula, do vaivém dos alunos em suas provas com suas notas, e com suas angústias, e com seus sucessos, e com seus retornos “professooooor passeeeeeei!!!!!”,  e da vontade de construir um jeito diferente de produção de texto, isto é, de uma maneira de “construir a redação sem medo”.
Para cada instante de construção do texto, há uma técnica, há um modo, há um como fazer!
Sem “subjetividades” ou “achismos”, cheios de falsos elogios, retóricas vazias e/ou noções generalizantes, o Método proporciona o SABER FAZER da escrita, o SABER ESCREVER para o vestibular e para toda a vida!